jusbrasil.com.br
9 de Abril de 2020

Qual a diferença entre bronca e assédio moral?

Advogada especialista em direitos trabalhistas fala sobre a diferença entre uma bronca do chefe no trabalho e o assédio moral

DellaCella Souza Advogados, Advogado
há 6 anos

Publicado por Camila Pati

Qual a diferena entre bronca e assdio moral

*Resposta de Sônia Mascaro Nascimento, sócia do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

O que caracteriza o assédio moral é uma conduta abusiva, seja da parte do superior hierárquico ou de outros, de natureza psicológica, e que atenta contra a dignidade psíquica do trabalhador. Ocorre de forma repetitiva e prolongada no tempo, e expõe o trabalhador a situações humilhantes, constrangedoras, de desestabilização psicológica.

O assédio moral causa dano emocional, exclui a posição do trabalhador, destrói a capacidade de resistência da pessoa ou deteriora o ambiente de trabalho, no exercício de suas atividades profissionais.

Já a bronca, diferentemente do assédio, consiste em um ato isolado no tempo e que, muitas vezes, não tem o intuito de ofender a dignidade psíquica do indivíduo.

A bronca nem sempre irá gerar dano moral, pois pode ela tratar-se apenas de um conflito, que mesmo sendo desagradável e inoportuno, tem o intuito de mudanças, tomada de decisões. O assédio gera insegurança; o conflito, mudança.

São alguns exemplos comuns de assédio moral: as críticas em relação à capacidade profissional; comunicações incorretas ou incompletas quanto à forma de realização do serviço, de forma que a vítima sempre faça o seu serviço de forma incompleta, incorreta ou intempestiva; isolamento da vítima de almoços, confraternizações ou atividades junto aos demais colegas; exposição da vítima ao ridículo perante colegas ou clientes; alegação pelo agressor de que a vítima está paranoica, com mania de perseguição, entre outros.

Assim, para que seja considerado assédio moral há a necessidade da repetição de gestos, palavras e comportamentos, que isoladamente considerados, podem parecer inofensivos.

A agressão moral e pontual, ainda que única, pode atingir a dignidade do indivíduo, ensejando uma indenização por danos morais, mas não se confunde com a prática do assédio moral.


Fonte:http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/qualadiferenca-entre-broncaeassedio-moral

10 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Nelci,

Não Existe assédio moral e nem bronca, quando a atitude tomada pelo superior seja em um lugar reservado e com educação e boa intenção. Aliás toda boa intenção é envolta em boa educação.

Fora disso, não passa de degradação moral intencional, portanto não existe bronca e nem assédio moral, existe desrespeito. continuar lendo

O individualismo, a busca ao lucro acima de tudo, violação da dignidade
humana, medo e insegurança são alguns dos efeitos da globalização que
facilitam a manipulação do empregado. Cuja perspectiva é a competição, caracterizado
pela insuficiência de trabalho e mão de obra em demasia, encontra-se uma
facilidade da propagação do assédio moral, pois a política e o mercado são
submetidos por comportamentos desumanos e aéticos, prevalecendo a
arrogância e o interesse individual. Excelente postagem, parabéns!! continuar lendo

Eu sou exemplo físico de ter sofrido assedio moral, em uma empresa de contacte Center, normalmente isso acontece, porque se trata de Gestores e Coordenadores ciente dos atos onerosos por atingir metas, mas como conheço meus Direitos (CLT), resolver denunciar a empresa por exigir a bula médica no (Ministério do Trabalho, Delegacia do Trabalho, Ministério da Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho Sindicato de minha categoria, ALERJ e por ultimo uma ação judicial no TRT, por conta de um tratamento que havia sido iniciado, mesmo depois de uma conversa aberta e saudável, continuo exercendo os atos não permitido, logo, achei prudente protocolar todas as manifestações e gravar todas as conversas, com isso almejei 2 testemunhas para o processo. E está em andamento. continuar lendo

É sempre oportuno esclarecer essa diferença pois muitos ainda confundem essas duas ocorrências, gerando transtornos processuais que poderiam ser resolvidos de forma simples. continuar lendo